domingo, 20 de outubro de 2013

Trabalho da AMABC é agraciado pelos relevantes serviços prestado ...


Na noite desse sábado (19/10), no salão nobre da AABB (Recife) – Associação Atlética do Banco do Brasil, a AMABC – Associação dos Músicos Amadores de Bom Conselho, foi agraciada em seu primeiro Título de reconhecimento pelos relevantes serviços prestado ao meio artístico e cultura de Pernambuco, a referida Comenda foi concedida pela ACAAPE - Associação Cultural e Assistencial aos Artistas de Pernambuco, na ocasião a Presidente Telma Andrade, ovacionou o trabalho do Presidente Carlos Alberto a frente da AMABC.

 

Telma Andrade fez questão de enfatizar o trabalho de resgate e valorização dos artistas de Bom Conselho, isso tudo aconteceu diante dos Artistas, Músicos, Entidades Culturais, Servidores dos seguimentos públicos e privados, Direção do Banco do Brasil, Sindicato dos Músicos Profissionais do Estado de Pernambuco, Empresários, Jornalistas, Fundarpe, Produtores Culturais e Cantores consagrados da Música Popular Brasileira.

 

Recentemente nosso trabalho recebeu um NÂO de uma pessoa amiga, que no passado bem próximo formos os primeiros a erguer sua bandeira, e nessa nobreza que só habita nos corações dos justos e verdadeiros, transformamos nosso trabalho em dedicação, em prol a sua causa. Mas a vida segue, segundo o poeta Petrúcio Amorim, o sim constrói, e às vezes o NÂO constroem muito mais, ele engrandece agente, e nos fortalece, nos dar coragem... 


Santana – Carlos Alberto – Petrucio Amorim
“Eu não preciso de você o mundo é grande e o destino me espera, não é você quem vai me dar na primavera às flores lindas que sonhei no meu verão, eu não preciso de você já fiz de tudo pra mudar meu endereço, já revirei a minha vida pelo avesso, juro por Deus não encontrei você mais não. Cartas na mesa o jogador conhece o jogo pela regra, nem sabe tu que eu já tirei leite de pedras, só pra te ver sorrir pra mim não chorar. Você foi longe, me machucando provocou a minha ira, só que eu nasci entre o velame e a macambira, quem é você pra derramar meu manguzá ...”