quinta-feira, 19 de maio de 2016

Texto de Wagner Moura sobre fim do MinC, que o Estadão não publicou


Por: Wagner Moura

“A extinção do Minc é só a primeira demonstração de obscurantismo e ignorância dada por esse Governo ilegítimo. O pior ainda está por vir”, disse o ator no texto que o Estadão se recusou a publicar. Confira a integra

Escrevi essa resposta-texto para jornalistas do Estado e da Zero Hora que queriam minha opinião sobre a extinção do Minc. O Zero Hora vai dar. O Estado se recusou.

A extinção do Minc é só a primeira demonstração de obscurantismo e ignorância dada por esse Governo ilegítimo. O pior ainda está por vir. Vem aí a pacoteira de desmonte de leis trabalhistas, a começar pela mudança de nossa definição de trabalho escravo, para a alegria do sorridente pato da FIESP, que pagou a conta do golpe.

Começaram transformando a Secretaria de Direitos Humanos num puxadinho do Ministério da Justiça. Igualdade Racial e Secretaria da Mulher também: tudo será comandado pelo cara que no Governo Alckmin mandou descer a porrada nos estudantes que ocuparam as escolas e nos manifestantes de 2013. Sob sua gestão, a PM de São Paulo matou 61% a mais. Sabe tudo de direitos humanos o ex-advogado de Eduardo Cunha, o senhor Alexandre de Moraes.

Mas claro, a faxina não estaria completa se não acabassem com o Ministério da Cultura, que segundo o genial entendimento dos golpistas, era um covil de artistas comunistas pagos pelo PT para dar opiniões políticas a seu favor (?!!!). Conseguiram difundir essa imbecilidade e ainda a ideia de que as leis de incentivo tiravam dinheiro de hospitais e escolas e que os impostos de brasileiros honestos sustentavam artistas vagabundos. Os pró-impeachment compraram rapidamente essa falácia conveniente e absurda sem ter a menor noção de como funcionam as leis (criadas no Governo Collor!) e da importância do Minc e do investimento em Cultura para o desenvolvimento de um país. É muito triste tudo. Ontem vi um post em que Silas Malafaia comemorava a extinção “do antro de esquerdopatas”, referindo-se ao Minc. Um negócio tão ignóbil que não dá pra sentir nada além de tristeza. Predominou a desinformação, a desonestidade e o obscurantismo.

Praticamente todos os filmes brasileiros produzidos de 93 para cá foram feitos graças à lei do Audiovisual. Como pensar que isso possa ter sido nocivo para o Brasil?! Como pensar que o país estará melhor sem a complexidade de um Ministério que cuidava de gerir e difundir todas as manifestações culturais brasileiras aqui e no exterior? Bradar contra o Minc e contra as leis (ao invés de contribuir com ideias para melhorá-las) é mais que ignorância, é má fé mesmo. E agora que a ordem é cortar gastos, o presidente que veio livrar o Brasil da corrupção e seu ministério de homens brancos, com sete novos ministros investigados pela Lava Jato, começa seu reinado varrendo a Cultura da esplanada dos Ministérios… Faz sentido. Os artistas foram mesmo das maiores forças de resistência ao golpe. Perdemos feio.

Acabo de ler que vão acabar também com a TV Brasil. Ótimo. Pra que cultura? Posso ouvir os festejos nos gabinetes da Câmara, nos apartamentos chiques dos batedores de panela, na Igreja de Malafaia e na redação da Veja: “Acabamos com esse antro de artistazinhos comprados pelo PT! Estão pensando o que? Acabamos a mamata da esquerda caviar! Chega de frescura! Viva o Brasil!” Trevas amigo… E o pior ainda está por vir.

Fonte: http://www.revistaforum.com.br/2016/05/17/estadao-pede-texto-sobre-fim-do-minc-a-wagner-moura-ator-fala-sobre-o-golpe-e-jornal-nao-publica/



18 Capitais têm proposta contra o fim do MinC

Protesto Copacabana Palace - RJ

Manifestantes ocupam prédios em protestos contra extinção do MinC Ao menos 18 capitais registram protestos contra fim da pasta; veja locais. Governo Temer passou atribuições do MinC agora para a Educação.

Manifestantes contrários à extinção do Ministério da Cultura (MinC) ocupam nesta quinta-feira (19) prédios públicos ligados à pasta em ao menos 18 capitais, incluindo Brasília. Os atos têm participação de artistas e produtores culturais.

São registradas ocupações em Natal, Cuiabá, Belém, São Luís, Belo Horizonte, Brasília, Aracaju, São Paulo, Rio de Janeiro, João Pessoa, Fortaleza, Salvador, Curitiba, Macapá, Maceió, Florianópolis, Porto Alegre e Recife.

Os grupos protestam contra a decisão do presidente em exercício, Michel Temer, de transferir as atribuições do MinC para a pasta da Educação, que passa a se chamar Ministério da Educação e Cultura (MEC). Na quinta-feira já havia várias ocupações contra o fim do ministério.

Em boa parte das cidades, os locais ocupados são sedes da Fundação Nacional das Artes (Funarte) e do Instituto Nacional do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Os protestos também são contrário ao governo Michel Temer.

Com a repercussão negativa da decisão de incorporar o MinC à Educação, Temer já havia anunciado que toda a estrutura da Cultura será mantida, mas sem o status de ministério. Marcelo Calero, ex-secretário municipal de Cultura do Rio de Janeiro, assumiu a Secretaria Nacional de Cultura na quinta-feira (19).

Fonte:http://g1.globo.com/pop-arte/noticia/2016/05/manifestantes-ocupam-predios-em-protestos-contra-extincao-do-minc.html


CARNAVAL DE ZÉ PULUCA: O melhor de Pernambuco passa aqui!!!


Em três anos o melhor do carnaval pernambucano se apresentou no “CARNAVAL DE ZÉ PULUCA”. Vale lembrar que o movimento é realizado pela Entidade de Músicos de Bom Conselho, idealizado pelo Produtor Cultural Carlos Alberto. Que a cada ano vem ganhando destaque e prestigio no cenário pré-carnavalesco do Agreste Meridional de Pernambuco. Em 2014 o debut ficou por conta do Maestro Spok. Em 2015 a festa foi comandada por Almir Rouche, já em 2016, a folia ficou por conta do Rei dos Palcos, Alceu Valença. Em 2017, o festejo será ainda maior. Quem viver verá!!!


IV CARNAVAL DE ZÉ PULUCA: Em 2017, ela vem!!!