quarta-feira, 13 de maio de 2015

Homenageamos a uma das paixões do nosso saudoso Patrono Ariano Suassuna


Nascido em João Pessoa, Suassuna mudou-se para Recife quando tinha 15 anos. Mas desde aquela época já amava o Sport, clube que adotou como enquanto crescia no sertão da Paraíba. Na cidade do Leão, o garoto passou a frequentar desde a juventude a Ilha do Retiro. E um de seus companheiros de estádio era ninguém menos do que João Cabral de Melo Neto, outro imortal da literatura e torcedor do América pernambucano – “um dos poucos”, brincava o amigo.


Mesmo quando não havia solenidade, Ariano Suassuna aparecia com seu traje Sport Fino. No caso, a camisa rubro-negra. Chegou até a inspirar uma das últimas versões do uniforme, que trazia no dorso uma das frases do escritor sobre o clube. Porque o homem que será para sempre lembrado pela forma como transformava a imaginação rica em belas palavras na página de um livro, também traduzia como poucos o gosto de torcer por um clube de futebol. No seu caso específico, pelo Sport


Saudamos nesse dia 13 de Maio, a torcida Rubro Negra de Pernambuco, pelos 110 anos de existência do Sport Club do Recife. E como dizia o nosso saudoso Patrono Ariano Suassuna:

“Dizem que sou rubro-negro doente, mas não. Sou rubro-negro saudável. Doentes são os torcedores de outros times, que não sabem escolher”