sexta-feira, 4 de novembro de 2016

IRACEMA BRAGA: Nasce a mais nova homenageada do Carnaval de Zé Puluca


O projeto carnavalesco que homenageia a memória do saudoso maestro Zé Puluca, e que vem transformando seus homenageados em bonecos gigantes, levará as ruas de Bom Conselho em 2017 sua primeira boneca gigante. A proposta Idealizada pelo produtor cultural Carlos Alberto Pereira de Oliveira, tem como objetivo de resgatar, valorizar, preservar e difundir os valores culturais artísticos de Bom Conselho. desta vez a jornada cultural viajou no tempo, para resgatar a memória artística da Professora de Música IRACEMA BRAGA. Segundo Florisbello Tenório Villa-Nova. Há pessoas que jamais deveriam ser merecedoras do esquecimento, ingratidão ou de qualquer indiferentismo, mesmo que sua origem de nascença seja oriunda de outra cidade. Assim comunga o projeto de Carlos Alberto. Afinal perpetuar a memória artista de uma pessoa já condenada a ter sua relevante trajetória cultural esquecida. É um ato de cidadania. Digno das atenções de qualquer sociedade. Em especial, dos poderes públicos municipais, estaduais e federais. afinal é da preservação memorial de um povo, que se extrai as mais relevantes informações. "De onde viemos, e quem somos". 

  
A final, quem foi Iracema Braga? Qual importância teve sua trajetória artística para Bom Conselho? Essas respostas ainda não foram inscritas em blogs, sites ou redes sociais. As redes públicas e particulares de ensinos de Papacaça ainda não se atentaram em narrar a sua história. Com isso, convidamos nossos leitores a conhecer um pequeno pedaço da linda história da Professora de Música que transformou o garoto José Duarte Tenório. No grande maestro Zé Puluca. Filha de João Fontes Braga e de Hermila Pereira Braga. Iracema Braga nasceu no Recife (PE) em 13/10/1901. Ainda jovem por orientação dos seus pais, deixou a capital pernambucana para vim  morar e trabalhar em Garanhuns (PE), cidade do interior do agreste meridional pernambucano. Por ser possuidora de cultura musical apreciável, conseguiu ingressar no quadro de professores do Colégio Santa Sofia.


De suas mãos os filmes mudos no Cinema Trianon, situado no antigo edifício da Prefeitura de Garanhuns, ganhavam vida  alegrando corações, através dos arranjos e melodias dos teclados do seu piano. Consorcio-se com o bonconselhense Carlos Tenório Vila-Nova Brasileiro, onde teve 2 filhas; Creusa Crenilce. Multi-instrumentista, tocava de tudo que pudessem imaginar. Com seu esposo foram proprietário do Hotel Central, localizado na Praça Pedro II, Centro de Bom Conselho. Foi dela o oficio de ensinar música ao jovem José Duarte Tenório, que mais tarde se tornaria o grande maestro Zé Puluca. Exima professora. Ensinou música a sociedade bonconselhense tanto no Centenário Colégio Nossa Senhora de Bom Conselho e como também no Ginásio São Geraldo. Foi dela a instrumentação da música que declama a origem  da Cidade de Bom Conselho. Membro da Ordem dos Músicos de Pernambuco, faleceu em 16 de agosto de 1971, deixando saudades. Sua musicalidade ajudou a formar diversos musicistas. Entre eles o Grande Maestro Zé Puluca.