sábado, 5 de agosto de 2017

DANTAS BARRETO: Um Imortal Bonconselhense na Academia Brasileira de Letras


Emídio Dantas Barreto, saiu de Bom Conselho, no Agreste Meridional Pernambucano, aos 15 anos. Analfabeto e oriundo de uma família pobre, tornou-se herói da Guerra do Paraguai. Aprendeu a escrever entre os militares e tornou-se filósofo depois de retornar à província natal. Virou ainda imortal da Academia Brasileira de Letras. Segundo ocupante da Cadeira 27, eleito em 10 de setembro de 1910, na sucessão de Joaquim Nabuco, foi recebido pelo Acadêmico Carlos de Laet em 7 de janeiro de 1911. Embora com importantes encargos militares e políticos, Dantas Barreto dedicou-se também à literatura, tornando-se conhecido por suas atividades de cronista, romancista e autor teatral. Colaborou na Revista Americana do Rio de Janeiro e no Jornal do Comércio de Porto Alegre. O Ministro da Guerra e presidente de Pernambuco, como era chamado na época, tomou posse na ABL no Palácio Monroe.
 
Passeata Dantista, Seguidores do General Emídio Dantas Barreto Contra as Oligarquias de Sigismundo Gonçalves e o Conselheiro Rosa e Silva, na foto os Três Homens ao Centro. Dantas Barreto é o Primeiro da Esquerda para a Direta.. Rua da Imperatriz, Recife em 1911.