terça-feira, 24 de março de 2015

Uma foto rara do 1º Boneco Gigante do Homem da Meia Noite

Fotografia da década de 30, do desfile do Clube de Alegoria e crítica Homem da Meia Noite.

O atual Clube de Alegoria e Crítica Homem da Meia-Noite, surgiu no carnaval de 1931, como uma dissidência de sócios da troça carnavalesca Cariri de Olinda. Para desbancar o Cariri, tradicionalmente conhecido por abrir os festejos de Momo em Olinda, o então Homem da Meia-Noite passou a desfilar pelas ladeiras a partir dos primeiros minutos do domingo de Carnaval, levando em seu cortejo, além de um relógio alegórico marcando meia-noite, a tradicional Chave de abertura oficial do Carnaval da cidade. Nos dois primeiros carnavais, de 1931 e 1932, a troça não contou com alegorias. Saiu apenas com o seu estandarte, bordado com um relógio marcando doze horas, e um boneco gigante confeccionado por Luciano Anacleto de Queiroz e Benedito Barbaça, marceneiro e entalhador. Desfilou sem interrupções de 1931 até 1949. De 1950 a 1953, no entanto, o clube não saiu principalmente por falta de recursos financeiros. A partir de 1954, ano de comemoração da Restauração Pernambucana, o então prefeito de Olinda, Alfredo Lopes, destinou verbas para o clube que voltou a desfilar sem mais interrupções até hoje. O Calunga Homem da Meia-Noite, é considerado o boneco Gigante mais antigo de nossa Cultura com 82 anos, e é tombado como Patrimônio vivo de Pernambuco e no ano de 2006 é aclamado popularmente como símbolo do Carnaval de Olinda.

fonte: Fundaj