quarta-feira, 3 de junho de 2015

Aventura de uma formiga agrestina da Pedra Talhada, contada em Francês


A visita ao artista plástico Ailton Santana também possibilitou o presidente da Associação dos Músicos de Bom Conselho em conhecer a Obra Prima que conduz ao rico mundo da arte, a serviço da preservação ecológica em nossa região.

O Livro “LILI LA FOURMI ET LE TRÉSOR DE PEDRA TALHADA – LLILI A FORMIGA E O TESOURO DA PEDRA TALHADA” revela a aventura de uma formiga do agreste meridional pernambucano. Onde nos conta com detalhe a rica diversidade da reserva da Pedra Talhada. Essa história foi extraída das inúmeras pesquisas realizada pela Bióloga Anita Studer, na Reserva Biológica Federal da Pedra Talhada. Por iniciativa da Bióloga Anita Studer, o livro acima foi criado para fins de lecionar consciência ambiental para jovens, crianças e adolescentes suíços e franceses. 

Em 1981 a pesquisadora Anita Studer identificou um pássaro raríssimo cujo nome científico é Curaeus forbesi, conhecido como "Anumará" pela população local. Dando conhecimento da sua descoberta ao seu diretor de pesquisa em São Paulo, que decidiu que este pássaro seria um excelente assunto de pesquisa, mas que precisaria apressar os estudos porque o rápido desmatamento o extinguiria em poucos anos, assim como as outras espécies endêmicas da região. Sobrevoando esta região Anita Studer percebeu o tamanho da catástrofe que tomava conta da floresta. Ela decidiu então iniciar seu trabalho para salvar o maciço de “Pedra Talhada”. Para melhor conduzir este projeto, ela precisou da ajuda da população local, mas encontrou grande dificuldade, porque ninguém se interessava em salvar esta Mata.
 

As autoridades locais explicaram a ela que as pessoas teriam dificuldades para compreender um projeto ecológico não tão concreto como a construção de uma escola ou uma estrada. Anita Studer entendeu que era necessário elaborar projetos sócio-educativos para conquistar o apoio da população. O primeiro passo era a reconstrução de uma escola destruída por um incêndio. Em 1985 em Genebra, ela fundou a Associação Nordesta Reflorestamento e Educação. Deste então foram lançados muitos outros programas visando o desenvolvimento sócio-econômico da região do entorno da mata com sede no Município de Quebrangulo. Foram realizadas várias oficinas de educação ambiental e de formação profissional para a população, principalmente para as crianças de rua.

Em breve a AMABC conhecerá de perto o extraordinário trabalho da ONG Nordesta, sob o olhar da Bióloga Anita Studer.