quinta-feira, 23 de julho de 2015

Ariano Suassuna: Um ano de saudade do nosso eterno Patrono


Hoje nossa saudade nos fez lembrar o dia 23 de julho de 2014, quando os meios de imprensa anunciavam o falecimento do nosso saudoso Patrono Ariano Suassuna. O paraibano de alma pernambucana, que dedicou sua vida a cultura nativista nordestina. Um homem erudito que não sentia vergonha de falar oxente. Nosso general das forças culturais do nordeste brasileiro, sempre encorajou o povo nordestino, através da sua dramatologia literária, transformando homens simples em mestres eruditos na arte popular. 

Ariano Suassuna em vida, mostrou que a vida do homem pobre do campo também tem seus encantos. Nossa humilde entidade cultural teve por designo de Deus o privilegio de agraciar o Título de Sócio Benemérito a sua ilustre pessoa. (sua última comenda). Também chegou a tocar o Hino do Carnaval de Zé Puluca (o último frevo pernambucano ouvido). Seu último registro ao lado de um Boneco Gigante, foi com o do maestro Zé Puluca. O último registro segurando uma lábaro de uma cidade, foi com a bandeira de Bom Conselho. E antes da sua partida, agradeceu, e  se sentiu prestigiado em poder ser o Patrono do Carnaval de Zé Puluca. Um projeto que nasceu do desejo de defender e valorizar a cultura nativista de Bom Conselho.


“Oh Ariano, meu Dom Quixote do nordeste brasileiro, obrigado por prestigiar nosso humilde trabalho. Que uma vez por ano, sai nas ruas de Papacaça, arrastando uma multidão de foliões, e numa mistura de canto, sorriso e lágrimas, testemunhamos nossos bonecos gigantes a se levantarem ao som das belas canções do mestre Capiba. Dizendo bem alto que a injustiça dói, nós somos madeira de lei que cupim não roí. E quando o invejoso busca defeitos e criticas diante do nosso humilde trabalho. Respiramos forte, chegamo a estufar o peito. E bem alto, proclamamos. Queiram ou não queiram os juízes o nosso bloco é de fato campeão”.

Obrigado Ariano Suassuna, por fazer parte das nossas vidas e da nossa história!